Muitas pessoas na cidade ucraniana sitiada de Mariupol ficaram sem comida para seus filhos

Muitas pessoas na cidade ucraniana sitiada de Mariupol ficaram sem comida para seus filhos, de acordo com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

Eles também dizem que não há água ou aquecimento na cidade, onde mais de 400 mil pessoas estão cercadas pelas forças russa

A equipe do CICV em Mariupol diz que as pessoas estão brigando entre si por comida e roubando combustível dos carros de outros.

Todas as lojas e farmácias foram saqueadas e, como não há abastecimento de gás e a temperatura à noite deve cair para -5°C, será muito difícil se manter aquecido.

A equipe do CICV está alertando que as pessoas já estão ficando doentes. Talvez também te interesse

Fim do Talvez também te interesse

Na quinta-feira (10/3), pessoas que têm entes queridos presos dentro da cidade estavam tentando desesperadamente ligar para eles.

Dmytro Gurin, um parlamentar ucraniano que cresceu em Mariupol e cujos pais estão presos lá, disse que conseguiu falar com seus vizinhos pela última vez há quatro dias.

“Conversamos por 30 segundos depois que eles foram para um local com sinal – há alguns desses locais que as pessoas conhecem”, disse Gurin.

“Eles disseram que meus pais estavam vivos, morando no porão do prédio deles. Não é um abrigo com luz, água e banheiro, é um porão sem nada.”

Gurin disse que seus pais estavam usando neve para beber água e tentando cozinhar em uma fogueira do lado de fora.

“Você pode tentar imaginar isso? Seus pais, 67 e 69 anos, estão bebendo neve e tentando cozinhar em uma fogueira no inverno, e há bombardeios contínuos”, disse ele.

“Isso não é mais guerra. Isso não é exército contra exército. É a Rússia contra a humanidade.”

Arthur Bondarenko, um distribuidor de café de 35 anos em Odessa, disse que estava enviando mensagens todos os dias para seus amigos íntimos, um casal com um filho de 6 anos.

“Todos os dias eu mando uma mensagem para eles e digo: ‘Olá, bom dia, como você está?’ Nenhuma das mensagens chega até eles.”

Bondarenko disse que falou com o casal pela última vez em 2 de março. “Eles não tinham água, eletricidade, aquecimento e não havia abrigo embaixo da casa.”

Mariupol é um alvo estratégico importante para a Rússia, porque tomá-la permitiria que rebeldes apoiados pela Rússia no leste da Ucrânia unissem forças com tropas na Crimeia, península anexada pela Rússia em 2014.

A cidade está há nove dias sob bombardeio pesado, que vem destruindo prédios de apartamentos e arrasando áreas residenciais.

Imagens verificadas pela BBC mostraram bombardeios na quinta-feira, confirmando uma declaração do conselho da cidade de que o ataque estava em andamento.

Dmytro Kuleba, ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, disse que a situação em Mariupol era a mais difícil do país.

Na quarta-feira, três pessoas – dois adultos e uma menina – foram mortas em Mariupol e 17 ficaram feridas em um ataque devastador que destruiu uma maternidade e uma ala infantil de um hospital.

Diana Berg, uma moradora de Mariupol que conseguiu fugir com o marido, disse que soube do ataque por meio das notícias.

“Ontem foi a coisa mais brutal e chocante”, disse ela. “Aquele hospital é muito perto de onde eu morava, estive lá uma semana antes, meu médico de família é de lá. Não sei se ele ainda está vivo”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.