O ex-ator Guilherme de Pádua, assassino de Daniella Perez, morreu vítima de infarto, neste domingo (6)

O ex-ator Guilherme de Pádua, que morreu neste domingo (6/11) após sofrer um infarto em casa, publicou pedido de perdão por ter assassinado Daniella Perez em dezembro de 1992, no Rio de Janeiro. Através do canal do Youtube, ele havia publicado um vídeo para falar sobre o assunto.

“Muitas pessoas — inclusive algumas que se dizem cristãs — têm me julgado e declarado que não acreditam em minha conversão porque não viram um vídeo meu com pedido de perdão para a família, para os amigos. As pessoas que fiz sofrer com o crime que cometi”, iniciou ele, que ainda ressaltou ter cometido o crime contra a filha da autora Gloria Perez, da novela Travessia.

“Não sou uma pessoa normal, é óbvio. Alguém que cometeu um crime tem mil pensamentos que não são comuns. Já fui uma pessoa normal e sei uma diferença entre uma pessoa que não cometeu um crime e em quem me tornei depois de cometer um crime”, disse Guilherme de Pádua. Ele afirmou que por muito tempo teve o sonho de pedir perdão às pessoas que fez sofrer após o crime brutal.

“Eu imaginava um encontro. Pensei em procurar um advogado dela, do Raul Gazolla, da Gloria Perez. Pensei em pedir a alguém para intermediar o encontro. Não imaginava uma coisa pela internet, ou por vídeo. Um pedido de perdão não é tão simples. Será que ela vai querer? Será que isso não é forçar uma barra, constranger, a pessoa que está decidindo se vai perdoar ou não? Não é tão simples como as pessoas pensam”, afirmou o assassino.

“Gloria Perez, eu te peço perdão por todo o sofrimento que te causei. Jamais esqueci daquele encontro na carceragem. Nunca esqueci. Raul Gazolla, te peço perdão. Nunca esqueci do dia em que fui chamado na delegacia, e você estava lá e se arrastou até mim. Me abraçou chorando. E eu vi que era a pior pessoa do mundo. Nunca senti algo igual ao que senti naquele momento. Peço perdão aos familiares, aos amigos, a todos que se envolveram com a história, que se entristeceram, que se revoltaram. Sei que esse pedido de perdão talvez não vá significar nada, mas quero deixar registrado”, concluiu Guilherme

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *